Rio do Sul/Equibrasil busca a reação, mas esbarra no tie brake em Bauru

Em quatro dos cinco sets, diferença mínima de pontos demonstrou equilíbrio e entrega das duas equipes.

Rio do Sul/Equibrasil busca a reação, mas esbarra no tie brake em Bauru

Foto: Rio do Sul Vôlei / Divulgação

A disputa entre o 7° e 8° colocados da Superliga na noite desta quarta-feira (20), mostrou o grande equilíbrio entre os times que lutam por vagas nos playoffs do campeonato nacional. Jogando em Bauru, Rio do Sul/Equibrasil conseguiu um até improvável empate diante do Concilig/Bauru, mas frente sua torcida e para dar brilho à estreia do novo técnico Marcos Kwiek, as donas da casa tiveram um pouco mais de sangue frio para fechar a partida no tie-brake (26/28, 24/26, 25/20, 33/31 e 13/15).

Sem poder contar com a oposta Duda, com dores no quadril, o time rio-sulense teve apenas Helô como dona da posição. E o primeiro set começou como se previa: as donas da casa agressivas, querendo buscar o troco já que Rio do Sul/Equibrasil venceu no turno em casa por 3 sets a 0. As catarinenses até começaram bem a partida, mas o equilíbrio prevaleceu durante toda a fase final do set, até a virada das paulistas.

Da mesma forma, o segundo set foi equilibrado do início ao fim. A chance de fechar a parcial foi das visitantes, mas Marielen vinha inspirada pela equipe do Bauru. A partida do time catarinense era muito boa defensivamente, mas o ponto final de bloqueio impediu o empata momentâneo para as meninas comandadas por Spencer Lee.

Parecia replay, mas era sim o set seguinte. Da mesma forma como o jogo vinha ocorrendo nas duas primeiras parciais, nenhuma das equipes abria mais de dois pontos de diferença no placar. Os detalhes que fizeram a diferença anteriormente para as donas da casa, passaram para o outro lado da quadra. Rio do Sul/Equibrasil abriu pela primeira vez cinco pontos de vantagem e diminuiu a diferença.

E o equilíbrio persistia. Errando mais do que é comum, as duas equipes não abriam grande pontuação e seguiam se alternando na liderança. Entre jogadas emocionantes, a partida foi ao set desempate. E no final, Rio do Sul pulou na frente, mas deixou Bauru virar. A vantagem mínima permanecia, mesmo que o time catarinense buscasse de toda forma o empate. Mas a noite era das donas da casa.

O técnico Spencer Lee demonstrou um pouco de desapontamento com a equipe que em alguns momentos não segurou determinada vantagem, mas ao mesmo tempo otimismo pela reação que as meninas tiveram mesmo perdendo de 2 a 0. "É o terceiro jogo seguido em que vamos ao tie-brake e estamos sendo testados física e mentalmente. O Bauru foi superior nos momentos decisivos e temos que valorizar a sua vitória em casa", destacou.

Mesmo com a derrota, Rio do Sul/Equibrasil soma um ponto na classificação e permanece em sétimo lugar na Superliga. Já o Bauru, que vem logo atrás em oitavo lugar, soma dois pontos e diminui a distância para a equipe catarinense em quatro pontos.

Rio do Sul/Equibrasil permanece em São Paulo e nesta quinta-feira viaja para Osasco, onde na sexta-feira (22), enfrenta o Vôlei Nestlé, pela Copa do Brasil às 19h30 no ginásio José Liberatti. Quem vencer segue para a semifinal do campeonato que reúne apenas os oito primeiros da Superliga ao final do turno, encerrado em dezembro. Em casa, as rio-sulenses reencontram o torcedor no dia 2 de fevereiro, às 20h15, contra o São Bernardo Vôlei, em jogo válido pela sexta rodada do returno, no ginásio Artenir Werner.

Clóvis Eduardo Cuco / Assessoria de Comunicação 

Outras Notícias

PUBLICIDADE