Forças Armadas planejam manter programa com atletas para Olimpíada de 2020

Forças Armadas planejam manter programa com atletas para Olimpíada de 2020

Foto: Quinn Rooney / Getty Images

O Programa de Atletas de Alto Rendimento, que ficou conhecido após os atletas brasileiros começarem a prestar continência à bandeira nacional nos pódios, não deve se encerrar com o fim da Olimpíada Rio 2016. Atualmente, 145 dos 465 atletas brasileiros nos Jogos são militares, e já há um plano para o ciclo de Tóquio 2020, que inclui os Jogos Mundiais Militares de 2019.

— Temos tido muitas conversas com o Ministério do Esporte e com as confederações, e a ideia é de longo prazo. Não estamos trabalhando só para 2016, mas para 2020. Acreditamos que o futuro do esporte está na base — disse ao jornal Lance Carlos Chagas, comandante do Centro de Educação Física Almirante Adalberto Nunes (Cefan) da Marinha.

Criado em 2008 e desenvolvido pelas Forças Armadas Brasileiras, a iniciativa é uma parceria entre o Ministério da Defesa e o Ministério do Esporte onde são investidos cerca de R$ 18 milhões anuais entre salários e compra de equipamentos.

No sistema atual, atletas de alto rendimento se alistam de forma voluntária às Forças Armadas. Os competidores passam a receber todos os benefícios de militares — soldo (como é chamado o salário do militar), 13° salário, plano de saúde, férias, assistência médica, além de ter o direito de treinar nas instalações militares.

Como contrapartida, ficam elegíveis para participar de competições específicas, como os Jogos Mundiais Militares. Geralmente, os atletas são 3° Sargentos — com um salário de R$ 3.111,00 pelos números de agosto. Pelo nível de carreira, dificilmente seriam chamados em uma eventual guerra.

*ZHEsportes

Diário Catarinense 

Outras Notícias

PUBLICIDADE