Cármen Lúcia diz que Operação Lava-Jato respeita as leis

Cármen Lúcia diz que Operação Lava-Jato respeita as leis

Foto: Carlos Humberto / STF / STF

A vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, afirmou nesta quarta-feira, que não há abuso do Poder Judiciário na Operação Lava-Jato e que as leis estão sendo respeitadas. A ministra disse ainda que o impeachment não é golpe, desde que o processo respeite a Constituição.

Questionada se há politização da Lava-Jato Cármen Lúcia respondeu: "Não. Estão sendo observadas rigorosamente a Constituição e as leis". Para ela, não há sinais do chamado ativismo judicial na operação, apontado por críticos do juiz Sergio Moro, da primeira instância da Justiça Federal do Paraná.

— A atividade do Judiciário é acionada pelos interessados, pelo cidadão. O Poder Judiciário não atua isoladamente, não atua de ofício, como nós dizemos. Atua por provocação. Então, quando se fala em ativismo judicial, é que o Judiciário ultrapassaria(suas atribuições) e não há demonstração nenhuma de que isso esteja acontecendo — afirmou Cármen Lúcia.

A ministra esteve no Rio para receber o prêmio "Faz Diferença", do jornal O Globo, na categoria Personalidade do Ano 2015.Ao comentar discursos recentes da presidente Dilma Rousseff apontando como golpe a tentativa de impeachment, Cármen Lúcia afirmou que entendeu como um "alerta" de que a Constituição tem que ser respeitada.

— Acredito que ela esteja exercendo, primeiro, a liberdade de expressão. Segundo, apenas um alerta no sentido de que é preciso que se observem as leis da República e isso com certeza, em um estado democrático, está sendo observado — afirmou. — Não acredito que a presidente tenha falado que impeachment é golpe. Impeachment é um instituto previsto constitucionalmente. O que não pode acontecer de jeito nenhum é impeachment nem ou qualquer tipo de processo político-penal ou penal sem observar as regras constitucionais. Não há impeachment em andamento ainda, não tenho nenhuma dúvida que teremos que observar todas as regras constitucionais — disse a ministra.

Diário Catarinense 

Outras Notícias

PUBLICIDADE