Com delação de Baiano, Lava-Jato fecha cerco a entorno de Lula

PT está em alerta quanto a um suposto uso político das investigações para atingir o seu principal líder.

Com delação de Baiano, Lava-Jato fecha cerco a entorno de Lula

Foto: Miguel SCHINCARIOL / AFP

Desde que o doleiro Alberto Youssef, um dos pivôs da Operação Lava-Jato, afirmou, em delação premiada, que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva "tinha conhecimento" das irregularidades cometidas na Petrobras, o PT está em alerta quanto a um suposto uso político das investigações para atingir o seu principal líder. Na última semana, os níveis de preocupação atingiram grau máximo com as citações a nomes do encontro de Lula na delação de Fernando Soares, o Fernando Baiano, outra peça-chave da operação.

Soares, segundo o jornal O Estado de S. Paulo, disse que o pecuarista José Carlos Bumlai, amigo de Lula, avalizou um pagamento de propina ao ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró. Ele afirmou ainda que, a pedido do mesmo Bumlai, pagou contas de uma nora do ex-presidente.

A publicação paulista apurou que Lula está preocupado com o surgimento do nome de Bumlai nas investigações. Segundo um empresário que conversou com o ex-presidente, a proximidade entre ambos, intermediada, no início da relação de amizade, ainda em 2002, pelo senador Delcídio Amaral (PT-MS), é hoje um flanco de vulnerabilidade em relação a Lula e sua família.

O ex-presidente tem três noras. Um dia depois da revelação de Baiano, os advogados de Fábio Luís, o Lulinha, pediram ao ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, acesso à delação premiada do acusador. Para tentar tranquilizar o partido, Lula informou ao PT ter determinado a realização de uma espécie de auditoria no patrimônio de toda a sua família, incluindo os cinco filhos e os respectivos cônjuges.

Nos bastidores petistas, o suposto enriquecimento de Luís Cláudio e de Fábio Luís, o Lulinha, filhos do ex-presidente, é um dos pontos centrais do nível de atenção. Em outubro, a LFT Marketing Esportivo, pertencente a Luís Cláudio Lula da Silva, recebeu R$ 2,4 milhões da Marcondes & Mautoni Ltda., empresa investigada por supostamente ter pago pela edição de uma medida provisória em favor de montadoras de veículos durante o governo Lula.

Contraponto

O Instituto Lula e os advogados de Lulinha negam que qualquer dos filhos do ex-presidente ou suas noras tenham recebido dinheiro do lobista ou de Bumlai. Segundo as informações passadas por Lula ao PT, nenhum de seus filhos tem patrimônio incompatível com a renda ou atividade financeira.

O comunicado acalmou o partido, que temia danos à imagem do ex-presidente. Desde o início de agosto, o PT detectou o que chama de uma ofensiva contra Lula. O presidente da sigla, Rui Falcão, chegou a dizer que se tratava de uma tentativa de atingir o partido.

Diário Catarinense 

Outras Notícias

PUBLICIDADE