Indícios contra ex-presidente Lula são significativos, diz MPF

Autoridades que compõem força-tarefa da Lava-Jato afirmaram que há evidências de que o ex-presidente recebeu vantagem indevida do esquema da Petrobras

Indícios contra ex-presidente Lula são significativos, diz MPF

Procurador Carlos Fernando dos Santos Lima (Foto: HEULER ANDREY / DIA ESPORTIVO/ESTADÃO CONTEÚDO)

O Ministério Público Federal (MPF) afirmou, em coletiva de imprensa na manhã desta sexta-feira, que existem evidências de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu valores com origem no esquema de corrupção da Petrobras, alvo de investigação da Operação Lava-Jato. Segundo o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, o conjunto de indícios contra o petista é “bastante significativo”.

— Certamente, o governo do ex-presidente foi o maior beneficiário desse esquema, um esquema de compra de apoio político-partidário _ disse o procurador.

Lula foi levado ao aeroporto de Congonhas, em São Paulo, para prestar esclarecimentos, mediante mandado de condução coercitiva. Entre os indícios que pesam contra o ex-presidente, está a informação de que as maiores empreiteiras investigadas na Operação Lava-Jato pagaram as maiores quantias de doações ao Instituto Lula e à LILS Palestras (empresa privada cujos sócios são Lula e Paulo Okamotto, presidente do Instituto Lula) entre 2011 e 2014.

— Existe uma confusão operacional e financeira entre as duas entidades, ainda a ser confirmada — afirmou o auditor fiscal da Receita Federal Roberto Lima.

As duas principais fontes de suspeitas são o fato de funcionários e pessoas ligadas ao Instituto Lula serem responsáveis pela contabilidade da LILS e a constatação de que as empresas que contrataram palestras do ex-presidente são as mesmas que fizeram as maiores doações ao Instituto Lula. Cerca de R$ 30 milhões de doações e pagamentos feitos pela Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa, OAS, Odebrecht, Queiroz Galvão e UTC são alvo de investigação. A força-tarefa apura se as palestras pagas pelas empreiteiras, de fato, ocorreram.

Na coletiva de imprensa, foi esclarecido que não há pedido de prisão de Lula e de sua esposa, Marisa, mas não foi informado se foi pedida a quebra de sigilo bancário e telefônico. O MPF justificou a condução coercitiva de Lula para que o ex-presidente falasse "em segurança". 

Jornal de Santa Catarina 

Outras Notícias

PUBLICIDADE