Marcelo Odebrecht fez indicação por meio de Palocci para cargo do governo Dilma, aponta Lava-Jato

Marcelo Odebrecht fez indicação por meio de Palocci para cargo do governo Dilma, aponta Lava-Jato

Foto: Genaro Joner / Agencia RBS

Uma mensagem apreendida por investigadores da Operação Lava-Jato mostra que o empreiteiro Marcelo Odebrecht pediu ao ex-ministro Antonio Palocci "espaços" para o então secretário executivo da Controladoria-Geral da União (CGU) Luiz Navarro no primeiro governo de Dilma Rousseff.

O e-mail foi encaminhado por Marcelo Odebrecht a diretores da empresa no dia 20 de dezembro de 2010, a 12 dias de Dilma tomar posse para seu mandato inicial como presidente. Na mensagem, o ex-presidente da empreiteira colou o conteúdo de um texto que enviaria a Palocci e no qual expressava seu interesse em ver Navarro no governo da petista.

"Chefe, (...) não sei se você conhece Luiz Navarro, secretário executivo da Controladoria-Geral da União. A pessoa dele comandou de forma efetiva a CGU, e penso que isso é reconhecido de dentro e de fora do órgão. Acho que vale a pena você recebê-lo para avaliar como ele poderia se ajustar em espaços do novo governo", diz a mensagem do empreiteiro incluída no e-mail aos diretores.

Dentre os destinatários do e-mail está o ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht, Cláudio Melo Filho, um dos ex-executivos da empresa que fizeram delação premiada na Lava-Jato. Em depoimentos, Melo Filho citou repasses para diversos políticos de vários partidos.

Ministro

Navarro foi mantido na secretaria executiva da CGU no governo Dilma. Em 2016, no segundo mandato da petista e já com o impeachment em curso, foi nomeado chefe do órgão que tinha status de ministério. Em maio do ano passado, na véspera de deixar o cargo, Dilma o nomeou conselheiro da Comissão de Ética da Presidência da República, posto em que ele ficará até 2019. O colegiado é responsável por instalar procedimentos para investigar a conduta de integrantes do Executivo. A comissão tem sete conselheiros, não remunerados.

O e-mail de Odebrecht com o pedido a Palocci ajudou a subsidiar o pedido de prisão do ex-ministro. Palocci foi detido em setembro, investigado por suas relações com a empreiteira. Ele é réu na Lava-Jato por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Odebrecht está preso desde junho de 2015 e foi condenado no âmbito da operação. 

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Por Estadão Conteúdo

Diário Catarinense 

Outras Notícias

PUBLICIDADE