Mercado de trabalho tem pior outubro desde 1992 e fecha 169 mil vagas

O Brasil perdeu 818.918 empregos com carteira assinada no período de janeiro a outubro deste ano, em reação ao aprofundamento da recessão na economia.

Essa é a primeira vez que o saldo entre as contratações e as demissões foi negativo para o acumulado de dez primeiros meses do ano desde 2002, início da série histórica desses dados disponibilizada pelo Ministério do Trabalho.

As informações foram divulgadas nesta sexta-feira (20), a partir do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), que leva em consideração dados das empresas que atuam no mercado formal de trabalho.

Do total de vagas fechadas no acumulado de janeiro a outubro, 41% foram na indústria de transformação (-336.437). Em seguida, aparecem a construção civil e o comércio como setores em que houve maior fechamento de vagas.

"Apesar das 818 mil vagas fechadas no período, o Brasil emprega 40 milhões de pessoas com carteira assinada. Esse estoque ocupa a terceira melhor posição no ranking desde 2002, mesmo com a diminuição de 169 mil vagas no mês", diz Márcio Borges, diretor do Departamento de Emprego e Salário, do ministério.

PIOR OUTUBRO

Em outubro, sétimo mês consecutivo em que as demissões superaram as contratações, foram eliminadas 169.131 vagas com carteira assinada. O resultado também é o pior para o mês de outubro desde 1992. Em setembro

De acordo com os dados do Caged, todos os oito setores analisados fecharam vagas no mês passado. O da construção civil foi o responsável pelo maior corte de empregos (-49.830). Na sequência, aparecem a indústria de transformação (-48.444), o setor de serviços (-46.246) e agricultura (-16.958).

Os setores em que as quedas no emprego foram menores são: administração pública (-569), serviços industriais de utilidade pública (-1410), extrativa mineral (-1.413) e comércio (-4.261).

Das 26 Estados e Distrito Federal, houve criação de vagas em somente quatro –Alagoas (6.456), Sergipe (1.063), Tocantins (47) e Mato Grosso do Sul (41).

"Em Alagoas e Sergipe, a geração de empregos está diretamente relacionada à produção de cana e do subsetor de produtos alimentícios, que na indústria de transformação foi o único com resultado positivo na criação de vagas. Nos outros 11 segmentos da indústria houve perda de postos de trabalho em outubro", disse Borges.

Folha de S. Paulo

Outras Notícias

PUBLICIDADE