Michel Temer recusa pedido de Dilma para ajudar na recriação da CPMF

Comunicada de que havia irritado o vice-presidente ao deixá-lo de fora das tratativas sobre a recriação da CPMF, a presidente Dilma Rousseff telefonou nesta quinta-feira (27) para Michel Temer e pediu ajuda para defender a volta do imposto.

O vice, porém, criticou a proposta, disse que haveria muita resistência no Congresso e que não poderia fazer nada para levar a ideia adiante.

Segundo a Folha apurou, a conversa foi bastante dura e classificada por aliados como "o primeiro embate direto" entre Dilma e Temer. Até agora, os dois mantinham uma relação distante, mas cordial.

A discussão sobre a volta do tributo sobre transações financeiras, extinto em 2007 e agora visto pela equipe econômica do governo como essencial para equilibrar as contas públicas, pegou Temer de surpresa.

Em viagem a São Paulo, o vice afirmou na manhã de quinta (27) que o tema era só “um burburinho”, sem saber que Dilma estava reunida no Palácio da Alvorada com os ministros de sua equipe econômica e Arthur Chioro (Saúde) para discutir a real viabilidade de recriar o imposto.

A reação dos peemedebistas ligados ao vice foi imediata. Deputados e senadores afirmam que se o PMDB precisava de algo concreto para se afastar do governo encontrou: a CPMF.

Segundo a assessoria do vice-presidente, porém, Temer nega que não vá colaborar com o governo. Durante a conversa, o vice fez uma avaliação das dificuldades que a matéria enfrentará no Congresso Nacional e deu sugestões que a presidente acatou e vai tentar colocar em prática para tentar diminuir essas resistências.

Em nenhum momento houve, diz a assessoria, houve um embate ou discussão entre os dois.

SUSTO

A repercussão negativa do principal aliado, além de políticos e empresários que se opõem à recriação do tributo, assustou integrantes do governo.

No Palácio do Planalto há quem defenda enviar a recriação da CPMF ao Congresso na segunda-feira (31), junto com a proposta Orçamentária para 2016. Ministros do núcleo político do governo, no entanto, ainda tentam dissuadir a equipe econômica. O martelo será batido até domingo (30).

Na noite desta terça, Temer se reuniu com empresários em jantar na Fiesp e disse que quer ser o “advogado” do setor produtivo na superação da crise.

Durante o encontro, ouviu críticas ao ministro da Fazenda, Joaquim Levy, e, segundo relatos, não fez nenhuma defesa enfática da presidente.

Nesta sexta (28), o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, ironizou a proposta do governo: "Acho que o governo pode unir o PMDB novamente com a nova CPMF. Todos contra: eu, Michel Temer e Renan Calheiros [presidente do Senado]".

Folha de S. Paulo 

Outras Notícias

PUBLICIDADE