Ministro defende maior integração produtiva e menos barreiras no comércio do Mercosul

O ministro Armando Monteiro encerra hoje a participação na 49a. Cúpula do Mercosul. Durante os dois dias, ministros da área econômica e chanceleres dos países membros do bloco discutiram os desafios para o próximo ano. O Uruguai assumiu a presidência pro-tempore, sucedendo o Paraguai.

Para Monteiro, o bloco tem que priorizar mais integração e derrubar barreiras: “Temos que fazer todos os esforços para iniciar a troca de ofertas com a União Europeia e tivemos uma convergência importante nesse sentido durante os debates. Precisamos tornar o comércio na região mais fluido, mais dinâmico, derrubar as barreiras ainda existentes e ampliar nossa integração produtiva. A integração produtiva regional é essencial para inserir o bloco nas cadeias produtivas globais. Precisamos também finalizar acordos que já debatemos há um bom tempo, como o de compras públicas”.

Armando Monteiro encontrou-se também com os ministros Gustavo Leite (Indústria e Comercio do Paraguai), Alfonso Prat-Gay (Fazenda da Argentina) e Danilo Astori (Economia e Finanças do Uruguai). Com todos os ministros, houve grande concordância em torno das principais metas e ações para que o Mercosul se fortaleça do ponto de vista econômico e comercial, e amplie suas relações com outros blocos. 

Monteiro e Leite anunciaram que no primeiro trimestre de 2016 os dois países firmarão um acordo automotivo. O Paraguai é o único país do bloco com o qual o Brasil ainda não tem esse tipo de acordo. Segundo os ministros, o acordo obedecerá a “gradualidade e especificidades da economia paraguaia”.

Olhar Direto

Outras Notícias

PUBLICIDADE