Morre Elke Maravilha, a extravagante diva da TV brasileira

Atriz de 71 anos estava internada desde julho, em coma induzido. Antes de ser hospitalizada, ela rodava o Brasil com o espetáculo 'Elke canta e conta'

Morre Elke Maravilha, a extravagante diva da TV brasileira

A atriz Elke Maravilha em 2013 (Foto: Lucas Lima/Dedoc)

A atriz Elke Maravilha morreu, aos 71 anos, na madrugada desta terça-feira, 16, no Rio de Janeiro. Ela estava internada na Casa de Saúde Pinheiro Machado, zona sul da cidade, desde julho, em coma induzido após cirurgia de úlcera. Antes de ser internada, ela rodava o Brasil com o espetáculo Elke Canta e Conta, em que contava histórias de sua vida e cantava em vários idiomas. A atriz pode ser vista no cinema, em uma participação especial no filme Carrossel 2 – O Sumiço de Maria Joaquina.

Carismática e irreverente, Elke se tornou uma figura folclórica no imaginário brasileiro. Ao longo de sua carreira, passou pelas passarelas da moda, por programas de calouros na TV, por novelas, minisséries e alguns dos títulos mais marcantes da história do cinema nacional. Foi diva, e das mais extravagantes.

Biografia – No dia 22 de fevereiro de 1945, em São Petersburgo, Rússia, nascia Elke Georgievna Grunnupp, que já estreou com uma interessante linhagem de misturas étnicas. Filha de um russo com uma alemã, com um avô azerbaijano e avó mongol por parte paterna, Elke chegou com a família ao Brasil aos 6 anos de idade, fugindo da perseguição de Josef Stalin. Seu pai foi considerado um traidor por lutar contra a Rússia na chamada Guerra das Neves, em 1930. A família se instalou inicialmente em Itabira do Mato Dentro, cidade no interior de Minas Gerais, onde o patriarca conseguiu trabalho em uma fazenda.

As variadas raízes familiares levaram Elke a falar, desde a adolescência, diferentes idiomas. Como gostava de ostentar, ela era fluente em nove línguas: alemão, russo, italiano, espanhol, francês, inglês, grego, latim e português. O jeitão pitoresco e os modos exuberantes também datam da juventude. Foi aos 18 anos que ela percebeu a vontade de se vestir diferente, o que lhe custou uma agressão na rua de pessoas incomodadas com sua aparência. “Fui parar no hospital”, conta.

Modelo – Aos 20 anos se mudou sozinha para o Rio de Janeiro, onde trabalhou como secretária trilíngue, bibliotecária e bancária, funções que a ajudaram a bancar a faculdade de Letras. Pouco tempo depois, aos 24 anos, ela usou seus quase 1,80 m de altura para trabalhar como modelo.

“No início fazia um pouco o jogo, porque também sei ser chique: fazer um cabelo convencional, uma maquiagem leve. Mas aquilo para mim era fantasiar-me. Eu não sou aquilo”, disse Elke. “O legal é que os próprios costureiros começaram a entrar no meu barato, entender o meu estilo e proposta estética e fazer roupas especiais para eu desfilar.”

A carreira de modelo levou Elke à sua ilustre amizade com Zuzu Angel, que também lhe rendeu uma prisão durante a ditadura militar brasileira. Comovida com a morte do filho de Zuzu, Elke se exaltou ao ver no Aeroporto Santos Dumont um cartaz de procurado com a foto do rapaz. “Todos já sabiam que ele estava morto. Rasguei o cartaz, foi meu lado russo que baixou naquela hora, o russo não é politicamente correto. Fui movida pela paixão, faria de novo”, disse certa vez à revista Isto É Gente. Elke ficou detida durante seis dias e saiu com a ajuda de Zuzu. No filme que leva o nome da estilista, de 2006, Elke foi interpretada pela atriz Luana Piovani.

Atriz – A aparência pitoresca e o jeito exótico impulsionaram a entrada de Elke na televisão. Seu primeiro trabalho na área aconteceu em 1972, como jurada noCassino do Chacrinha. A mesma função exerceu mais tarde no Show de Calouros, do Silvio Santos, no SBT.

Os dois programas expandiram a fama de Elke, que saiu do nicho da moda carioca para ser reconhecida em todo o país. Tanto que ganhou seu próprio talk show, Elke, na emissora do patrão. O relacionamento com Silvio, contudo, não durou a vida toda. “Sinto saudades do Chacrinha, do Silvio Santos não”, repetiu em diversas entrevistas.

Na TV, Elke também atuou em novelas e minisséries, na maioria das vezes sem encarnar personagens, mas interpretando a si mesma. Fazem parte de seu currículo títulos como Pecado Capital (1998), Da Cor do Pecado (2004), eCaminho das Índias (2009), entre outras.

Seu papel mais marcante foi na minissérie Memórias de um Gigolô, da Rede Globo, exibida em 1986. Na trama, Elke interpretou Madame Iara, dona de um bordel. A personagem rendeu a ela o título de madrinha da Associação das Prostitutas do Rio de Janeiro.

Elke também trabalhou em produções teatrais e cinematográficas. No cinema, aliás, fez importantes longas brasileiros, como Quando o Carnaval Chegar (1972) e Xica da Silva (1976), de Cacá Diegues; A Força de Xangô (1977), de Iberê Cavalcante; Pixote: A Lei do Mais Fraco (1981), de Hector Babenco; e até produções infanto-juvenis, como Xuxa Requebra (1999) e recentementeCarrossel 2: O Sumiço de Maria Joaquina (2016), seu último trabalho para a sétima arte.

Vida pessoal – Para além de seus muitos trabalhos, Elke teve uma agitada vida pessoal. A atriz se casou oito vezes. O último foi Sasha, 27 anos mais novo, com quem viveu por 13 anos.

“Quando eu disse que queria me separar porque não sentia mais desejo, o Sasha perguntou ‘Tem mesmo que separar?’. Eu disse que sim, porque talvez ainda esteja no carma dele casar e ter filhos. Se ele tivesse a minha idade, a gente podia continuar esquentando um o pé do outro. Eu nunca quis ter filhos porque não saberia educar uma criança. Fiz três abortos, sem a menor culpa”, disse em entrevista ao jornal O Globo, em 2014.

Entre outras declarações controversas, estão as afirmações de que ela nunca se sentiu realmente uma mulher, “decidi não ter gênero”, e que já usou os mais variados tipos de drogas na juventude, enquanto na maturidade só fumava cigarro e bebia destilados.

Seus últimos anos foram vividos no Leme, no Rio, enquanto continuava a viajar com peças de teatro.

Veja.com 

Outras Notícias

PUBLICIDADE