Padilha prevê votação da reforma da Previdência concluída no 1º semestre de 2017

Padilha prevê votação da reforma da Previdência concluída no 1º semestre de 2017

Eliseu Padilha (Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil)

O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse, nesta segunda-feira, que a votação da reforma da Previdência na Câmara só deve ser concluída no primeiro semestre de 2017. Após participar de evento na sede da BM&FBovespa, no centro de São Paulo, Padilha disse a jornalistas que, até dezembro, espera a votação da matéria em comissão e, talvez, a primeira votação pelo plenário da Câmara.

Ele não quis projetar prazos para a votação da reforma previdenciária no Senado. Padilha assinalou, contudo, que, pelo menor número de membros da Casa, a tramitação no Senado tende a ser mais rápida.

— Não vamos conseguir concluir o trabalho na Câmara (neste ano). Será seguramente no primeiro semestre do ano que vem. Queremos ver se conseguimos rapidez no Senado para que ela entre em vigor o mais rápido possível — disse.

"Cada casa tem as suas particularidades. Na Câmara, o trabalho é mais demorado. Temos que ter uma compreensão um pouco maior em relação à Câmara", acrescentou.

Saúde e educação

O ministro-chefe da Casa Civil disse que serão rejeitadas pelo relator da matéria — o deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS) — as propostas de emendas que alteram índices de correção nos gastos com saúde e educação na proposta que estabelece um teto às despesas públicas.

Mais cedo, o ministro já tinha reiterado que exceções não seriam aceitas na proposta de emenda constitucional (PEC). 

— Teto é teto — afirmou Padilha ao discursar no lançamento do ranking de competitividade dos Estados na sede da BM&F.

O ministro voltou a dizer que os gastos em saúde e educação já estão acima dos patamares mínimos estabelecidos pela Constituição. Também reiterou que os gastos nas duas áreas continuarão crescendo em linha com a inflação.

Após participar do evento, Padilha manifestou a jornalistas que o governo está confiante na aprovação da PEC até o fim do ano tanto na Câmara quanto no Senado.

— Temos uma base parlamentar entre 380 e 400 deputados. Temos, portanto, folga. Nossa articulação no Congresso é muito bem conduzida pelo ministro Geddel (Geddel Vieira) e pelo líder do governo — afirmou.

*Estadão Conteúdo

Diário Catarinense

Outras Notícias

PUBLICIDADE