Papa pede aos jovens que se rebelem para que as coisas mudem

O papa Francisco pediu aos jovens que se rebelem para questionar, sonhar, e evitar os "caminhos obscuros que roubam o melhor de vocês", durante o primeiro encontro nesta quinta-feira (28), na Polônia, com centenas de milhares de pessoas que participam da Jornada Mundial da Juventude.

"É lindo e me conforta o coração vê-los tão revoltados", afirmou o papa latino-americano, ao falar em italiano aos 600.000 jovens reunidos no enorme parque de Blonia, no centro de Cracóvia.

"É estimulante escutá-los, compartilhar seus sonhos, suas perguntas e seu desejo de se rebelar contra todos aqueles que dizem que as coisas não podem mudar", confessou diante de uma multidão heterogênea, que escutava a tradução em vários idiomas graças aos fones de ouvido conectados aos emissores.

"As coisas podem mudar. Não é verdade?", perguntava o papa aos jovens, que em coro respondiam "sim", "sim".

Como ocorreu em outras ocasiões, o papa se inspirou no célebre discurso de Martin Luther King "Eu tenho um sonho", a favor dos diretos para os negros, para sacudir as mentes dos jovens dos cincos continentes e convidá-los a "sonhar".

"Vocês são capazes de sonhar?", improvisou o pontífice que falou também da dor que sente ao encontrar jovens "que se aposentaram antes do tempo", que "jogaram a toalha antes de começar a partida", que estão "entregues antes de jogar", que "estão aborrecidos e aborrecem", confessou.

Em seu discurso, o papa pediu às novas gerações que escolham "uma vida plena" com Jesus Cristo, ao invés da "vertigem alienante" e as "falsas ilusões", que "na minha terra natal chamaríamos de 'vendedores de fumaça'", explicou sem afirmar se falava sobre traficantes de droga.

"No final, acabam pagando e pagando caro", advertiu.

O papa chegou na alegre cerimônia de boas-vindas a bordo de um bonde elétrico com um grupo de crianças com deficiência, debaixo de um persistente chuvisco.

Em um enorme palco branco e a frente uma gigantesca reprodução de Jesus Cristo, o papa entabulou um tipo de diálogo com os que assistiam, pedindo em várias ocasiões que os jovens respondessem e de alguma maneira se comprometessem com seus pedidos.

"A Igreja de hoje é mais, o mundo está vendo", clamou aos jovens que balançavam bandeiras de 187 países, segundo explicou o Vaticano, inclusive de vários onde os católicos são minoria como a China, Israel e Vietnã.

"Um coração misericordioso se anima a sair da comodidade (...) um coração misericordioso se abre para receber o refugiado e o migrante", voltou a pedir o Papa à Polônia, país que se nega a receber a cota de refugiados colocada pela União Europeia, o que suscita muitas críticas e tensões no velho continente.

kv/jz/cb/mvv

Diário Catarinense 

Outras Notícias

PUBLICIDADE