Protesto de caminhoneiros é contra Dilma, diz líder; sindicatos não apoiam

Protesto de caminhoneiros é contra Dilma, diz líder; sindicatos não apoiam

Foto: Divulgação

Caminhoneiros bloqueiam rodovias em ao menos 12 Estados nesta segunda-feira (9) e pedem o impeachment da presidente Dilma Rousseff, segundo o Comando Nacional do Transporte (CNT), que convocou o movimento por meio das redes sociais.

O CNT é crítico ao governo e pede o afastamento da presidente. "Somos apartidários e sem cunho político. Nós lutamos pela salvação do país, e isso só será feito a partir da deposição da Dilma, seja por renúncia ou por impeachment", disse Fábio Roque, um dos líderes do movimento no Rio Grande do Sul, à Agência Brasil.

De acordo com o movimento, há manifestações em São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Espírito Santo, Rio Grande do Norte e Pernambuco.

Sindicatos dizem que não apoiam protesto

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística (CNTTL), ligada à CUT, afirma que a greve é uma "manobra de um 'grupo' que tenta usar os caminhoneiros em prol de interesses políticos, que nada têm a ver com a pauta de reivindicações da categoria".

Segundo nota divulgada pela entidade e assinada pelo presidente, Paulo João Eutasia, "esse 'grupo' que se autointitula 'comando', não representa os caminhoneiros brasileiros e tem por objetivo atrapalhar os avanços conquistados no diálogo permanente com o governo federal em favor dos trabalhadores".

A Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA) também se posicionou contra as paralisações: "Ao consultar a sua base de representação, a CNTA e as entidades que a compõe, federações e sindicatos, optam pela defesa dos interesses dos caminhoneiros, por meio do diálogo e negociação com o governo federal e setor privado", disse, em nota, o presidente da CNTA, Diumar Bueno.

"Antes de qualquer pessoa se intitular uma liderança e promover uma paralisação nacional é preciso partir da premissa que uma crítica deve vir acompanhada de uma sugestão", afirma a CNTA, na nota. "Gritos de ordem incitando protestos podem conseguir apoio e simpatia, mas sem propostas concretas de nada adiantam".

Fábio Roque rebateu as críticas das entidades. "A crítica que eles fazem ao nosso movimento é a prova de que eles estão do lado do governo e, por isso, não têm credibilidade com a classe".

Outras entidades ligadas aos caminhoneiros, como a União Nacional dos Caminhoneiros, a Federação dos Caminhoneiros Autônomos de Carga em Geral do Estado de São Paulo e o Sindicato dos Transportadores Rodoviários de Bens do Estado de São Paulo, também disseram que não apoiam as paralisações desta segunda-feira.

Ministro diz que objetivo é desgastar governo 

O ministro da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, Edinho Silva, disse mais cedo que os caminhoneiros em greve não apresentaram uma pauta de reivindicações e que a paralisação tem como objetivo o desgaste político do governo.

"No nosso entender, essa é uma greve que atinge pontualmente algumas regiões do país e, infelizmente, um movimento que tem se caracterizado com uma aspiração única de desgaste político do governo. Se tivermos uma pauta de reivindicação, como tivemos em outros momentos, o governo sempre estará aberto ao diálogo. Agora, uma greve que se caracteriza com o único objetivo de gerar desgaste ao governo, ela vai de encontro aos interesses da sociedade brasileira", disse Edinho Silva em entrevista no Palácio do Planalto.

(Com Agência Brasil e Estadão Conteúdo)

UOL

Outras Notícias

PUBLICIDADE