Saiba onde nasce a hora oficial do Brasil

Saiba onde nasce a hora oficial do Brasil

Foto: Ricardo Carvalho / Observatório Nacional

À meia-noite de sábado para domingo, quando terminará oficialmente o horário de verão, equipamentos da Divisão de Serviço da Hora, do Observatório Nacional, estarão trabalhando para atrasar o horário em 10 Estados brasileiros. É nessa instituição, localizada no Rio de Janeiro — e não em Brasília, como poderíamos imaginar —, que é gerada a Hora Legal Brasileira. Contando com uma equipe de cerca de 20 funcionários, entre engenheiros, físicos e técnicos em eletrônica, a Divisão trabalha continuamente para manter o horário oficial do país atualizado e disseminá-lo para todos os cantos brasileiros, respeitando os fusos horários vigentes no país.

— É um serviço importante, porque o país precisa ter uma referência única de tempo. Quem trabalha aqui tem uma atividade exclusiva. Nenhuma outra instituição brasileira faz esse serviço — comenta o chefe da Divisão do Serviço da Hora, Ricardo Carvalho. 

O Observatório Nacional, hoje subordinado ao Ministério da Ciência e Tecnologia, foi criado em 1827 para orientar os estudos geográficos do território brasileiro e para o ensino da navegação. Atualmente, a instituição continua a oferecer ensino, mas também desenvolve pesquisas e prestação de serviços tecnológicos. A Hora Legal é gerida pelo observatório desde 1850. Em 1913, com a adoção do sistema de fuso horário no Brasil, essa atividade passou a ser uma atribuição determinada por lei. 

CONHEÇA CURIOSIDADES SOBRE A HORA NO BRASIL

HORA OFICIAL É GERADA POR MEIO DE NOVE RELÓGIOS

A Hora Legal Brasileira é calculada pela média de nove relógios atômicos de alta precisão — sendo sete de césio e dois de hidrogênio —, que atrasam apenas um segundo a cada 10 milhões de anos. 

— O conjunto de relógios serve para manter a precisão da hora, de forma contínua — explica Ricardo Carvalho. 

Depois do cálculo, as informações são enviadas para a sala de geração e disseminação, onde a hora é gerada para os quatro fusos brasileiros e difundida para todo o país por meio da internet, de linha telefônica e de radiofrequência.

INSTITUIÇÕES PÚBLICAS E PRIVADAS ESTÃO SINCRONIZADAS À HORA LEGAL

Algumas instituições públicas e privadas, como bancos, órgãos de governo, tribunais, Bolsa de Valores, entre outros, precisam provar que seguem a Hora Legal. Por isso, sincronizam seu sistema ao servidor do Observatório Nacional, que fornece um certificado mensal.

TROCA DO HORÁRIO DE VERÃO OCORRE NO OBSERVATÓRIO

Os equipamentos que geram a Hora Legal, localizados no Observatório Nacional, são programados para adiantar em uma hora os fusos que entram em horário de verão à 0h do terceiro domingo de outubro e, do mesmo modo, atrasá-los na volta ao horário tradicional, à 0h do terceiro domingo de fevereiro.

Atualmente, o horário de verão vigora nos Estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, além do Distrito Federal.

BRASIL TÊM QUATRO FUSOS HORÁRIOS

Atualmente, o Brasil tem quatro fusos horários. Isso significa que o país segue quatro horários oficiais — todos gerados no Observatório —, que variam de duas a cinco horas a menos em relação à Greenwich (GMT), o fuso "zero", localizado em Londres, cujo horário é referência mundial. 

O primeiro fuso brasileiro, que abrange as ilhas de Atol das Rocas, Fernando de Noronha, São Pedro e São Paulo, Trindade e Martim Vaz, tem duas horas a menos que a GMT. 

O segundo, que compreende o Distrito Federal, as regiões Sul, Sudeste e Nordeste, e os estados de Goiás, Tocantins, Pará e Amapá, tem três horas a menos, e corresponde à hora oficial do Brasil. 

O terceiro fuso, onde estão localizados Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Roraima e dois terços do estado do Amazonas, está quatro horas atrasado em relação à GMT. 

Já o quarto fuso — que deixou de existir em 24 de abril de 2008, mas voltou em 30 de outubro de 2013 — tem cinco horas a menos. Ele abrange o Acre e 13 municípios no oeste do Amazonas.

Diário Catarinense 

Outras Notícias

PUBLICIDADE