Estupro de jovem de 16 anos no Rio "está provado", diz delegada

Estupro de jovem de 16 anos no Rio

Delegada Cristiana Bento ao lado do chefe da Polícia Civil, Fernando Veloso (Sergio Moraes/Reuters)

A delegada Cristiana Bento, titular da Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (DCAV), afirmou categoricamente nesta segunda-feira que há provas suficientes de que a adolescente C. B. de 16 anos foi vítima de estupro no Rio. Em coletiva de imprensa, a delegada confirmou que o resultado do exame de corpo de delito, feito tardiamente, não aponta indícios de violência, mas que isso não é determinante para atestar a ocorrência do crime. Também nesta segunda-feira, dois suspeitos foram presos: o jogador de futebol Lucas Pedorno, de 20 anos, e Raí Souza, de 18 anos. Outras quatro pessoas tiveram a prisão decretada e estão foragidas.

"Na minha convicção houve estupro. O vídeo mostra o rapaz manipulando a menina. O estupro está provado. O que eu quero provar agora é a extensão desse estupro, quem e quantas pessoas o praticaram, uma, dez, ou trinta e três", disse a delegada, que assumiu ontem a condução do caso, no lugar de Alessandro Thiers, titular da Delegacia de Repressão a Crimes de Informática (DRCI), criticado pela jovem por tentar "incriminá-la".

O chefe da Polícia Civil, Fernando Veloso, corroborou a declaração da delegada, dizendo que os vestígios do abuso podem ter se perdido com o tempo. "Não recolhemos os indícios de violência. Isso não quer dizer que não houve. O laudo só não pode concluir tecnicamente. Os vestígios se perderam e essa não colheita [de provas] pode ter acontecido por causa do tempo que passou", afirmou Veloso. Da ocorrência do crime até a realização do exame, passaram-se cinco dias, de acordo com a perita do Instituto Médico Legal (IML) Adriane Rego.

A perita explicou os motivos pelos quais os indícios de violência podem não ter sido detectados no exame. Segundo ela, o próprio organismo destrói os espermatozoides em até 72 horas após o ato sexual. Outro fator é que a vítima estava desacordada na hora do crime e, por isso, não ofereceu resistência.

VEJA

Outras Notícias

PUBLICIDADE