"Antes tarde do que nunca", diz Dilma sobre afastamento de Cunha

Foto: Roberto Stuckert Filho / Presidência da República/Divulgação

A presidente Dilma Rousseff disse, nesta quinta-feira, que o afastamento do mandato de deputado federal do presidente da Câmara dos deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), pelo Supremo Tribunal Federal (STF), ocorreu "antes tarde do que nunca". Dilma lamentou que Cunha tenha conseguido presidir "na cara de pau" a sessão da Câmara que aprovou o "lamentável" prosseguimento do processo de impeachment. A liminar foi concedida pelo ministro Teori Zavascki e ainda precisa ser analisada pelo plenário do Supremo.

— Hoje (quinta-feira), antes de sair de Brasília, soube que o Supremo Tribunal Federal tinha afastado o senhor Eduardo Cunha alegando que ele estava usando seu cargo para fazer pressões, chantagens. A única coisa que eu lamento, mas eu falo antes tarde do que nunca, é que infelizmente ele conseguiu e, vocês assistiram, ele presidindo na cara de pau o lamentável processo [de impeachment] na Câmara — afirmou Dilma, durante a cerimônia de início da operação comercial da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, em Vitória do Xingu, no Pará.

Para Dilma, a admissibilidade do pedido de afastamento foi uma "chantagem" de Cunha.

— Na verdade, o início desse impeachment foi uma chantagem do senhor Eduardo Cunha, que pediu para o governo votos para impedir seu próprio julgamento na Comissão de Ética da Câmara. Nós não demos os votos. Ele entrou com o pedido de impeachment. Esse impeachment é um claro desvio de poder, porque ele usa seu cargo para se vingar de nós porque nós não nos curvamos às chantagens dele — declarou.

O ministro Teori Zavascki, que é relator da Operação Lava-Jato no STF, determinou o afastamento de Cunha do mandato de deputado federal e, em consequência, da presidência da Câmara. O ministro atendeu a pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que apresentou denúncia acusando Cunha de tentar interferir na condução das investigações da Lava-Jato.

Cunha informou que vai recorrer da decisão. Mesmo afastado do mandato, ele permanece como deputado e com foro privilegiado.

*Agência Brasil

Diário Catarinense 

Outras Notícias

PUBLICIDADE