Aliados na Câmara dizem a Dilma que ela ainda não tem maioria para aprovar CPMF

Líderes voltaram a demonstrar insatisfação com o direcionamento das emendas parlamentares a obras do PAC

Aliados na Câmara dizem a Dilma que ela ainda não tem maioria para aprovar CPMF

Dilma Rousseff se reuniu com os líderes da base aliada na Câmara dos Deputados (Foto: José Cruz)

Em reunião no Palácio do Planalto na manhã desta quinta-feira, líderes da base aliada na Câmara disseram à presidente da República, Dilma Rousseff, que ela não tem os 308 votos necessários para aprovar a Proposta de Emenda à Constituição que cria a CPMF. No encontro, os líderes voltaram a demonstrar insatisfação com o direcionamento das emendas parlamentares a obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

A expectativa dos governistas é que Dilma recue nesse ponto.

— Ela sinalizou que entende essa questão, mas não deu resposta definitiva — disse o líder do PMDB, Leonardo Picciani (RJ).

A expectativa é que a questão seja tratada na próxima segunda-feira, em reunião com o ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini, que esta semana passou a cuidar da articulação política do governo.

Segundo o líder do PSD, Rogério Rosso (DF), a presidente estava serena e passou a conduzir pessoalmente a relação política com o Congresso. O parlamentar disse que a presidente garantiu que passaria a ter muito mais contato com as bancadas na tentativa de reestruturar a base e garantir a aprovação das medidas do ajuste fiscal.

— Ao querer receber de forma mais direta o termômetro da Casa, ela está mais disposta a dialogar — disse Rosso.

O líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE), afirmou que a presidente não abordou com os líderes a reforma ministerial, prevista para ser anunciada até a próxima quarta-feira. Guimarães também disse que não se tratou do movimento pró-impeachment conduzido pela oposição.

— Não estou preocupado com esta agenda dos conspiradores — comentou o deputado.

A presidente também demonstrou aos líderes da base preocupação com a análise dos vetos, que deve ocorrer em sessão do Congresso marcada para a próxima semana. Os líderes cobraram do governo que divulgue o impacto financeiro da eventual derrubada dos vetos para que eles apresentem os dados às suas bancadas.

Estadão Conteúdo

Outras Notícias

PUBLICIDADE