Aliados preparam estratégias para defender Dilma contra o impeachment

Aliados preparam estratégias para defender Dilma contra o impeachment

A presidente afastada, Dilma Rousseff (Foto: EVARISTO SA / AFP)

Com a leitura do relatório do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), marcado para terça-feira, os partidos que apoiam a presidente afastada Dilma Rousseff passarão o fim de semana elaborando dois votos em separado, em defesa do mandato da petista. O instrumento é apresentado quando algum parlamentar não concorda com o conteúdo do relatório oficial.

Um dos documentos está sendo preparado por senadores do PT e do PDT — Lindbergh Farias (PT-RJ), Gleisi Hoffmann (PT-PR), José Pimentel (PT-CE) e Telmário Mota (PDT-RR). O segundo, pelos senadores Vanessa Grazziottin (PCdoB-AM) e Randolfe Rodrigues ( Rede-AP).

— Estamos decidindo se apresentamos à comissão dois votos ou se vamos juntar os argumentos em um só — adiantou Vanessa Grazziotin.

A senadora acrescentou que a estratégia será resolvida em uma reunião dos aliados de Dilma na segunda-feira. O mais provável, no entanto, é que os dois votos em separado sejam apresentados na comissão. Na votação da pronúncia no plenário da Casa, eles devem ser condensados em um só.

Voto em separado

Como o regimento do Senado só prevê a leitura de voto em separado quando o relatório oficial é rejeitado, o que não deve ocorrer, as negociações com o presidente da comissão, senador Raimundo Lira (PMDB-PB), já começaram.

Os defensores da petista pediram ao senador 30 minutos para, mesmo sem efeito prático, lerem um relatório paralelo. No encontro, Lira chegou a falar da possibilidade da leitura apenas do resumo de um dos votos, mas ainda não decidiu nada a respeito.

Na fase de admissibilidade do processo contra Dilma no Senado, não foi permitida leitura de voto em separado. A leitura do parecer de Anastasia durou quase três horas. Dessa vez, o tucano também terá o tempo que for necessário para ler o relatório. Mais uma vez, a sessão promete ser longa, já que a promessa é de um texto ainda mais consistente.

Reuniões

O cenário político do Senado deve ser movimentado não somente pelos trabalhos da comissão, mas também porque estão previstas reuniões com a própria Dilma.

Entre outras ações, ela deve divulgar oficialmente uma carta de compromisso com o país. Nela, o tema central é o comprometimento com o plebiscito para que a população decida se deseja novas eleições presidenciais. A proposta, defendida por Dilma em conversas anteriores, foi bem recebida por alguns membros do Congresso, mas é vista por outros com ceticismo. Uma reunião entre a petista e seus apoiadores para tratar de tudo isso ocorrerá terça-feira em Brasília.

Para os parlamentares que apoiam Dilma Rousseff, o problema maior é que os partidos que defendem o impeachment conseguiram uma maioria parlamentar e apoio na opinião pública. Por outro lado, eles avaliam que, pelas pesquisas de opinião sobre o atual governo, esse cenário está se desfazendo. Por isso, lembram a pressa dos aliados do presidente interino Michel Temer em julgar logo o processo.

— Ele (Temer) pode buscar o filho na escola, ir para os jogos olímpicos, mas nada disso adianta, porque os compromissos que ele assumiu para chegar ao poder são contrários à maioria da nação. Estou falando das reformas nocivas aos tralhadores e à sociedade que ele defende — criticou Vanessa Grazziotin.

Cartas Marcadas

Entre os senadores ouvidos pela reportagem, não será surpresa se a decisão da maioria da comissão for pela continuidade do processo de Dilma. O mesmo deverá ocorrer no plenário na fase de pronúncia. Essas duas votações serão as últimas com exigência de maioria simples de votos, ou seja, metade mais um dos presentes à sessão.

Até o fim da tarde desta quinta-feira, as alegações finais da defesa da presidenta afastada devem ser entregues à Comissão do Impeachment pelo advogado José Eduardo Cardozo.

*Agência Brasil

Diário Catarinense 

Outras Notícias

PUBLICIDADE