Base de Temer pode dominar até 90% do eleitorado do país

Base de Temer pode dominar até 90% do eleitorado do país

Foto: Beto Barata / Presidência da República

O resultado do segundo turno das eleições deste ano vai confirmar a consolidação de uma ampla base municipal formada pelos principais partidos alinhados ao governo Michel Temer e, ao mesmo tempo, a ampliação do espaço ocupado pelas chamadas legendas nanicas. 

Levando-se em conta apenas o PMDB e os partidos que têm assento na Esplanada dos Ministérios, a base de Temer elegeu 4,4 mil prefeitos no primeiro turno e pode comandar de 72% a até mais de 90% do eleitorado do país após a votação deste domingo.

Os dados do primeiro turno e as pesquisas indicam que o PSDB será, potencialmente, o grande vitorioso nas disputas municipais e o PT, o maior perdedor. A sigla tucana tem chance de governar mais de 20% dos eleitores no Brasil — a maior proporção entre as 31 legendas que conseguiram eleger algum prefeito em 2016.

O PSDB vai também ampliar o domínio em São Paulo, Estado governado por Geraldo Alckmin e onde o declínio da legenda petista deve ficar explicitado no ABC paulista. Pela primeira vez desde que foi fundado, em 1980, o PT não deve governar nenhuma prefeitura da região, seu berço político. 

— Mostra um novo momento. Virou a página — disse o governador tucano, que já saiu fortalecido com a vitória de João Doria (PSDB) no primeiro turno na capital.

Reflexo da fragmentação partidária e da rejeição às legendas tradicionais, candidatos de partidos nanicos disputam 52% do eleitorado que hoje volta às urnas. No primeiro turno, os partidos sem tradição ou representatividade no Congresso conquistaram um total de 569 prefeituras. O segundo turno ocorrerá em 57 cidades brasileiras e envolve cerca de 33 milhões de eleitores.

Após a definição em São Paulo, a principal disputa se dá no Rio, onde o evangélico Marcelo Crivella (PRB), bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, concorre com o socialista Marcelo Freixo, candidato do PSOL.
Em Belo Horizonte, a disputa está acirrada, com empate técnico entre Alexandre Kalil (PHS) e João Leite (PSDB). Além de Rio e BH, haverá segundo turno em outras 16 capitais do País.

As eleições deste ano podem também representar um recorde no número de abstenções, votos em branco e votos nulos. Na primeira etapa de votação, no dia 2 deste mês, esse índice chegou a 28,8% do total de votos, o maior dos últimos 20 anos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Diário Catarinense 

Outras Notícias

PUBLICIDADE