Carlos Sampaio diz que há 284 votos a favor do impeachment na Câmara

Segundo deputado do PSDB, Dilma possui 150 parlamentares fiéis

Carlos Sampaio diz que há 284 votos a favor do impeachment na Câmara

Deputado federal Carlos Sampaio (PSDB-SP) defende o impeachment (Foto: Divulgação/PSDB)

O deputado federal Carlos Sampaio (PSDB-SP) afirmou, nesta segunda-feira, que, pelas suas contas, há 284 votos a favor do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff na Câmara dos Deputados — número menor do que os 342 votos necessários para aprovar a matéria na Casa.

Segundo ele, Dilma só possui 150 deputados fiéis a ela. Durante seminário promovido pelo Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial, o tucano também previu que a Câmara deve deferir o pedido de afastamento da petista ainda em outubro deste ano, ficando o julgamento pelo Senado para novembro.

Mesmo que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) indefira os pedidos de impeachment, Sampaio ressaltou que a oposição tem uma vantagem: a possibilidade de recurso em plenário prevista pelo Regimento Interno da Casa.

Nesse caso, destacou, bastaria maioria simples para aprovar o deferimento, ou seja, 51% dos presentes.

— Acho que quando iniciar as manchetes no dia seguinte de que iniciou o processo, temos clareza de que os que faltam (para chegar aos 342) vão aparecer — afirmou o parlamentar a uma plateia de empresários e simpatizantes do PSDB.

Pelos cálculos de Sampaio, mesmo com os recentes movimentos de afago ao PMDB feitos pela presidente Dilma Rousseff, ainda há 20 deputados do partido que devem votar a favor do impeachment.

— Por mais que pareça que ela está ganhando fôlego, nossa visão é de que ela não ganha. A tendência é piorar — afirmou.

Na avaliação do tucano, cada vez que a presidente tira um partido de sua equipe para dar mais espaço ao PMDB, essa outra legenda descartada acaba migrando para o "outro lado".

— Ela faz pequenas arrumações e a coisa desanda", disse o parlamentar. O deputado federal previu que, a partir da próxima semana, alguns dos pedidos de impeachment devem começar a ser deferidos na Câmara.

Para ele, em outubro esse processo estará concluído, fazendo com que, em novembro, o processo possa ser julgado pelos senadores, em sessão que deve ser presidida pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF). Segundo o tucano, a maior resistência ao processo de impeachment no Congresso vem do PR e do PP. "Do PSB também, mas acho que muita gente do partido acabaria votando a favor", acrescentou. Para o parlamentar, Dilma "não tem vocação" para renunciar.

Diário Catarinense 

Outras Notícias

PUBLICIDADE