Dilma diz que declarações de Odebrecht são mentirosas e fala em divulgação seletiva

Dilma diz que declarações de Odebrecht são mentirosas e fala em divulgação seletiva

Ueslei Marcelino/Reuters

A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) afirmou, por meio de nota enviada à imprensa, serem mentirosas as declarações a seu respeito atribuídas ao empresário Marcelo Odebrecht durante depoimento à Justiça Eleitoral na quarta-feira (1º). Uma ação movida pelo PSDB logo após as eleições de 2014 pede a cassação da chapa Dilma/Temer.

Segundo reportagem do jornal "O Estado de São Paulo", Marcelo Odebrecht afirmou que destinou R$ 120 milhões por meio de caixa 2 à campanha de Dilma e Temer. O conteúdo do depoimento está sob sigilo. A versão oficial só será divulgada após o STF (Supremo Tribunal Federal) liberar o conteúdo das 77 delações de ex-executivos da construtora, homologadas pela Justiça.

Segundo fontes ouvidas pelo jornal, Marcelo teria afirmado, ainda, que a petista tinha dimensão da contribuição e dos pagamentos e que mantinha contato frequente com o alto escalão do governo, como Guido Mantega, ex-ministro da Fazenda do governo Rousseff, com quem disse negociar repasses a campanhas eleitorais. 

"É mentirosa a informação de que Dilma Rousseff teria pedido recursos ao senhor Marcelo Odebrecht ou a quaisquer empresários, ou mesmo [que tenha] autorizado pagamentos a prestadores de serviços fora do país, ou por meio de caixa dois, durante as campanhas presidenciais de 2010 e 2014", afirma a nota.

Jantar com Temer

Sobre o presidente Michel Temer (PMDB), Marcelo Odebrecht disse no depoimento, segundo a agência Reuters, que o empreiteiro --que está preso em Curitiba, condenado por corrupção ativa e lavagem de dinheiro na operação Lava Jato-- confirmou ter participado de um jantar com Temer, no Palácio do Jaburu, onde foi tratado de contribuições para a campanha do então vice-presidente, mas garantiu que o tema foi tratado "de forma genérica" e não houve um pedido de doação direto feito por Temer.

O jantar e o pedido de doações foram relatados pelo ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht Claudio Melo Filho em delação premiada dentro da operação Lava Jato.

Na semana passada, em nota oficial, Temer afirmou que como presidente do PMDB, "pediu auxílio formal e oficial à Construtora Norberto Odebrecht" e não autorizou que "nada fosse feito sem amparo nas regras da lei eleitoral".

Nesta quinta (2), a Secretaria de Comunicação da Presidência da República afirmou, também por meio de nota, que o depoimento de Marcelo Odebrecht confirma "aquilo que o presidente Michel Temer vem dizendo há meses".

Vazamentos seletivos

A defesa de Dilma afirma também que não é verdade que Mantega tenha sido indicado como o representante do governo responsável por negociar os repasses para as campanhas presidenciais: "Nas duas eleições, foram designados tesoureiros, de acordo com a legislação. O próprio ex-ministro Guido Mantega desmentiu tal informação".

A nota diz ainda que "estranhamente" sempre são divulgados trechos de declarações de maneira seletiva. "E ocorrem justamente quando vêm à tona novas suspeitas contra os artífices do golpe de 2016, que resultou no impeachment da ex-presidenta da República."

A defesa de Dilma informa ainda que que todas as doações de campanhas eleitorais de Dilma Rousseff foram feitas de acordo com a legislação, "tendo as duas prestações de contas sido aprovadas pelo Tribunal Superior Eleitoral".

"Dilma Rousseff tem a certeza de que a verdade irá prevalecer e o caráter lesivo das acusações infundadas será reparado na própria Justiça", diz o texto.

Leia a nota na íntegra:

Sobre as declarações do empresário Marcelo Odebrecht em depoimento à Justiça Eleitoral, a Assessoria de Imprensa de Dilma Rousseff afirma:

1. É mentirosa a informação de que Dilma Rousseff teria pedido recursos ao senhor Marcelo Odebrecht ou a quaisquer empresários, ou mesmo autorizado pagamentos a prestadores de serviços fora do país, ou por meio de caixa dois, durante as campanhas presidenciais de 2010 e 2014.

2. Também não é verdade que Dilma Rousseff tenha indicado o ex-ministro Guido Mantega como seu representante junto a qualquer empresa tendo como objetivo a arrecadação financeira para as campanhas presidenciais. Nas duas eleições, foram designados tesoureiros, de acordo com a legislação. O próprio ex-ministro Guido Mantega desmentiu tal informação.

3. A insistência em impor à ex-presidenta uma conduta suspeita ou lesiva à democracia ou ao processo eleitoral é um insulto à sua honestidade e um despropósito a quem quer conhecer a verdade sobre os fatos.

4. Estranhamente, são divulgadas à imprensa, sempre de maneira seletiva, trechos de declarações ou informações truncadas. E ocorrem justamente quando vêm à tona novas suspeitas contra os artífices do Golpe de 2016, que resultou no impeachment da ex-presidenta da República.

5. Dilma Rousseff tem a certeza de que a verdade irá prevalecer e o caráter lesivo das acusações infundadas será reparado na própria Justiça.

6. Por fim, cabe reiterar que todas as doações às campanhas de Dilma Rousseff foram feitas de acordo com a legislação, tendo as duas prestações de contas sido aprovadas pelo Tribunal Superior Eleitoral.

UOL Notícias 

Outras Notícias

PUBLICIDADE