É preciso interromper controle de Cunha sobre a Câmara, diz Dilma a rádio de Minas Gerais

É preciso interromper controle de Cunha sobre a Câmara, diz Dilma a rádio de Minas Gerais

Foto: Roberto Stuckert Filho / Presidência da República

A presidente afastada, Dilma Rousseff, afirmou em entrevista à Rádio Itatiaia, de Minas Gerais, que espera que a influência do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) sobre os demais parlamentares seja interrompida com a eleição de um novo presidente da Câmara.

— Temos de interromper este processo (de controle do Cunha sobre os parlamentares). O primeiro passo é o que hoje estamos vendo na Câmara, com grande quantidade de candidaturas — disse a presidente afastada.

A eleição à presidência da Câmara ocorre nesta quarta-feira, a partir de 16h. Até agora, 14 candidatos se inscreveram ao pleito. O PT e seus aliados acenam apoiar o ex-ministro da Saúde do governo Dilma, Marcelo Castro (PMDB-PB), que votou contra o impeachment dela.

Até o início da semana, parlamentares petistas mantinham conversas com interlocutores de Rodrigo Maia (DEM-RJ), ainda que ele tenha sido um dos principais líderes do impedimento da presidente e conte com o suporte do PSDB. Já o chamado centrão, de aliados de Cunha, aposta na candidatura de Rogério Rosso (PSD-DF).

— Para um eventual segundo turno, espero que vença o candidato que tenha mais idoneidade e espero também que seja alguém que não tenha votado pelo impeachment — afirmou Dilma.

"Injustiça"

Na entrevista, a presidente afastada voltou a dizer que é vítima de uma injustiça, mas que acredita na reversão do impeachment na votação do Senado.

— Eu só serei carta fora do baralho em 1º de janeiro de 2019, quando termina o meu mandato — disse.

Dilma também fez críticas à gestão econômica do presidente interino Michel Temer.

— Algumas das medidas deste governo interino são mera continuidade do que estávamos fazendo. Outras, no entanto, ferem os direitos coletivos e individuais. É absurdo pensar que os ajustes necessários para recompor o equilíbrio fiscal atinjam um dos setores que são o coração de toda a sociedade, que é a educação", afirmou, em uma crítica à PEC dos gastos públicos.

A presidente afastada, no entanto, evitou fazer críticas pessoais a Temer. 

— Mas quando eu voltar à presidência, eu não tenho vontade de vingança pessoal nem de retaliação. Eu simplesmente não pretendo encontrá-lo, porque não teria o que dialogar, o que trocar — disse Dilma, afirmando que não imaginava que Temer fosse passível de sofrer a influência do grupo político de Eduardo Cunha.

*Estadão Conteúdo

Diário Catarinense 

Outras Notícias

PUBLICIDADE