Nicolás Maduro e Evo Morales criticam abertura de impeachment de Dilma Rousseff

Nicolás Maduro e Evo Morales criticam abertura de impeachment de Dilma Rousseff

Nicolás Maduro (E) e Evo Morales (D) Foto: Montagem sobre fotos de Juan Barreto e Freddy Zarco / AFP

Dois chefes de Estado da América do Sul, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e o da Bolívia, Evo Morales, declararam apoio à presidente Dilma Rousseff após a decisão da Câmara dos Deputados de abertura do processo de impeachment neste domingo. 

Em sua conta no Twitter, Maduro questionou a legalidade do processo aprovado e acusou a oposição brasileira de atuar por "ordem yankee", referindo-se aos Estados Unidos. "A direita do continente desconhece a Soberania Popular. Pretendem que desapareçamos? Alerta, alerta que caminha", escreveu o presidente venezuelano. 

Com a declaração, Maduro postou fotos de manifestações contra o impeachment feitas no Brasil. Essa foi a mais recente das manifestações pela rede social do presidente venezuelano, dado a frequentes críticas aos governos de direita e ao que chama de "imperialismo norte-americano".

Antes da votação, Maduro havia feito outra publicação sobre a crise política no Brasil. Ele postou uma foto de manifestantes com bandeiras do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. Na imagem, o grupo erguia uma bandeira com os rostos do vice-presidente Michel Temer e do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). "O povo brasileiro mobilizado diz não ao golpe contra Dilma, entretanto, o Parlamento atua como um lacaio do Império". Outro post afirma que "A presidente Dilma chegou ao poder com 54 milhões de votos, hoje 437 gorilas a ameaçam por ordem yankee".

Também via Twitter, o presidente boliviano, Evo Morales, referiu-se à votação de domingo à noite como um "golpe", reproduzindo um discurso amplamente repetido pelos críticos ao impeachment e pela própria Dilma. "Não ao golpe no Congresso. Defendamos a democracia do Brasil, sua liderança regional e a estabilidade da América Latina".

Com 367 votos a favor, o processo de impeachment contra Dilma foi aberto no domingo e segue para análise do Senado. O pedido teve como base o argumento de que Dilma cometeu crime de responsabilidade por causa do atraso nos repasses a bancos públicos para o pagamento de benefícios sociais, que ficaram conhecidos como pedaladas fiscais. Os autores do pedido também citaram a abertura de créditos suplementares ao Orçamento sem autorização do Congresso Nacional como motivo para o afastamento da presidente.

Diário Catarinense 

Outras Notícias

PUBLICIDADE