Temer decide não apoiar criação de 14 mil cargos

Temer decide não apoiar criação de 14 mil cargos

Foto: Beto Barata / Presidência da República

Depois de ter sido pessoalmente convencido pelo ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, o presidente interino Michel Temer mudou de ideia e decidiu não apoiar nem defender a criação de 14 mil cargos, aprovada em um dos diversos projetos que concederam reajuste aos servidores públicos.

Segundo interlocutores de Temer, após uma conversa com o líder do governo no Senado, Aloysio Nunes (PSDB-SP), no domingo passado, o presidente interino recuou e informou que "não vai mais apoiar cargos nem o aumento do Supremo Tribunal Federal (STF)".

Na última semana, após a revelação de que a Câmara dos Deputados havia autorizado a criação de 14 mil cargos, Temer chamou Oliveira ao Palácio do Jaburu para esclarecimentos.

Na ocasião, o ministro argumentou que "não houve criação de novos cargos na administração federal, que gerasse aumento de despesas". "O que houve foi a compensação com a extinção de outros cargos equivalentes", dizia nota oficial. Oliveira também reiterou que o reajuste dos servidores recompõe parcialmente as perdas da inflação e que essa recomposição fora diluída em até quatro anos.

Críticas

Na terça-feira, ao abrir a sessão de votação, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), criticou a postura do governo Temer de reajustar o salário de diversas categorias de funcionários públicos em todos os Poderes. Os projetos foram aprovados na última semana pela Câmara e, agora, seguem para o Senado.

— Há dias, nós votamos a redução do superávit primário e um déficit de R$ 170 bilhões. Na semana seguinte, o governo aprovou na Câmara dos Deputados, como sempre acontece, um projeto de lei dando aumento aos servidores públicos — criticou o presidente do Senado, dizendo que isso "não poderia ser ocultado".

Renan disse que é preciso que o governo esclareça se há, de fato, o déficit fiscal. 

— (Havendo déficit), não podemos dar aumento salarial, nem criar cargos, nem aumentar teto de gastos — observou. 

O presidente do Senado foi irônico ao dizer que, se o governo aprova aumentos salariais, "talvez tenhamos aprovado um déficit que não existe". A presidente afastada Dilma Rousseff também fez críticas à condução da política econômica pelo governo Temer. Ela o acusou de "fazer um déficit gigantesco" — referência à revisão da meta fiscal para um rombo de R$ 170,5 bilhões em 2016 — e de a Câmara ter autorizado, com aval do governo, a criação de 14 mil cargos. Disse que os gastos "não beneficiam o conjunto da população". 

— E eu pergunto: com que legitimidade? — questionou.

Com apoio do governo, a Câmara aprovou 14 projetos de reajuste salarial para funcionários públicos com um impacto superior a R$ 50 bilhões em quatro anos nas contas públicas. 

Diário Catarinense

Outras Notícias

PUBLICIDADE