Temer defende MP do Ensino Médio e critica ocupações de escolas

Temer defende MP do Ensino Médio e critica ocupações de escolas

Foto: Lula Marques / Agência PT

O presidente da República, Michel Temer, defendeu nesta terça-feira a necessidade da Medida Provisória (MP) da reforma do Ensino Médio e disse que ela produziu o efeito de gerar o debate sobre o sistema educacional. Apesar disso, Temer fez uma crítica às ocupações nas escolas ao dizer que hoje "usa-se o argumento físico e não verbal". 

– Nós precisamos aprender no país a respeitar as instituições e o que menos se faz hoje é respeitar as instituições. Isso cria problemas e o direito existe exatamente para regular as relações sociais. Hoje, ao invés do argumento intelectual e verbal, usa-se o argumento físico. Vai e ocupa não sei o que e bota pneu velho em estrada para impedir trânsito – disse, segundo a agência de notícias Folhapress, em discurso durante evento na Confederação Nacional da Indústria (CNI), em Brasília.

Segundo a Folhapress, o presidente ainda sugeriu que os alunos não sabem o que é uma PEC. 

– (Pergunto) você sabe o que é uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional)? É uma Proposta de Ensino Comercial. Estou dando um exemplo geral de que as pessoas debatem sem discutir ou ler o texto – disse. 

Temer afirmou que a MP do Ensino Médio já estava parada havia muito tempo e que precisava ser colocada para frente. O presidente ponderou que não é necessariamente a favor do texto e admitiu que pode enviar ao Congresso um Projeto de Lei sobre o tema.

– Não que seu seja a favor da MP, mas ela vai instalar uma discussão no país com vista no Ensino Médio. Se for necessário votar projeto de lei, nós votaremos. Não há problema nisso – completou.

Temer comentou ainda que "não é possível" que as crianças não saibam multiplicar, não saibam falar o português. 

– A MP produziu ou não produziu efeito? Produziu. Estão discutindo. Estão até levando a efeito físico – reforçou.

Por Estadão Conteúdo e Zero Hora

Diário Catarinense

Outras Notícias

PUBLICIDADE