"Evidências entre zika vírus e microcefalia estão mais fortes", afirma diretora da OMS

Margaret Chan, diretora-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) (Foto: FABRICE COFFRINI / AFP)

Em visita ao Pernambuco, Estado com o maior número de casos de microcefalia, a diretora-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margaret Chan, afirmou nesta quarta-feira que as evidências da associação entre o zika e a microcefalia estão "mais, mais e mais fortes", apesar de "ainda não totalmente claras". 

Em pronunciamento a autoridades, médicos e imprensa em Recife, Margaret Chan salientou que o Brasil "não está sozinho" e que tem "força e determinação" para erradicar o mosquito Aedes aegypti, transmissor do vírus. 

Vestindo a camiseta da campanha Zika Zero, do governo federal, presente recebido ontem da presidente Dilma Rousseff, a diretora elogiou a "tomada de liderança" do país no compartilhamento de informações com a OMS, algo que está "baseando ações contra o zika em todo o mundo". Para ela, o vírus é misterioso e cheio de truques.

— Por isso, muitas perguntas ainda estão sem respostas — afirmou. 

Antes da fala, Margaret Chan se reuniu com as médicas Ana e Vanessa van der Linden, do Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (Imip) — pioneiras em identificar o surto de microcefalia em Recife —, e assistiu, tomando nota de tudo, a apresentações sobre o panorama da má-formação em Pernambuco. 

— O vírus da zika tem consequências devastadoras para as grávidas. Fico feliz em ver que estão sendo desenvolvidos novos protocolos para cuidar de bebês com anomalias neurológicas — disse a diretora. 

Ela reforçou o discurso de que, enquanto não há "vacinas ou diagnósticos confiáveis para entender os efeitos da infecção por zika na primeira etapa da gestação", eliminar o mosquito deve ser "a linha de frente da estratégia de defesa". 

— O mosquito é inteligente: vai achar jeitos de atacar as pessoas. Não tenho medo dele, mas temos que tomar precauções, pois não se trata de tarefa fácil — disse. 

Margaret Chan embarca na tarde desta quarta-feira para o Rio de Janeiro, onde visitará a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Ela está na companhia do ministro da Saúde, Marcelo Castro, e da diretora-geral da Organização Panamericana de Saúde (Opas), Carissa Etienne. 

*Estadão Conteúdo

Diário Catarinense 

Outras Notícias

PUBLICIDADE