Silvio Dreveck (PP) assume presidência da Alesc

"Não pretendo fazer mágicas, nem construções", diz novo presidente da Assembleia Legislativa de Santa Catarina.

Silvio Dreveck (PP) assume presidência da Alesc

Foto: LUCAS GABRIEL DINIZ / Alesc

Deputado Silvio Dreveck, do PP, já assumiu a presidência da Assembleia Legislativa de Santa Catarina. Foi eleito com 38 dos 40 deputados. Dois parlamentares justificaram ausência: Serafim Venzon, que se encontra na Espanha, e Nilson Berlanda, por motivos de saúde.

A eleição de Dreveck confirmou todas as articulações e previsões. Deu-se durante sessão preparatória iniciada as 14:30 horas.

"Não pretendo fazer mágicas, nem construções", diz novo presidente da Alesc

O que o senhor pretende fazer na presidência da Assembleia Legislativa?
Não pretendo fazer mágicas, nem grandes ou pequenas construções. A Assembleia Legislativa tem que dar respostas à sociedade catarinense, com pauta baseada em projetos. Vamos dar celeridade aos projetos, dentro do regimento e em acordo de lideranças, para liberá-los de forma independente e harmoniosa. Vou precisar ouvir bastante meus colegas deputados e a voz da população, através das entidades de classe patronais e laborais. Vou usar a postura positiva da Assembleia de Santa Catarina para que continue como exemplo de tomada de decisões importantes, como ocorreu em 2015. A Assembleia tomou decisões que resultaram no equilíbrio das finanças do Estado, que não atrasou salários, nem 13º, e que não aumentou impostos. Deve-se à coragem do governador e à ação determinada dos deputados. Vou procurar valorizar boas iniciativas de todos os segmentos. Farei um trabalho sério, decidindo sobre o que seja melhor para Santa Catarina. Será apenas um ano de trabalho.

O ano de 2017 será difícil. O Estado tem gordura para queimar?
Tem, sim! E, não tenha dúvida, um dos pontos altos da gestão Colombo é a de não aumentar impostos. Esta política atrai novas empresas para Santa Catarina, pois os outros Estados elevaram tributos. Em Mafra, três empresas estão se instalando porque a carga tributária aqui é menor do que no Paraná e no Rio Grande do Sul. Temos que nos conscientizar que esta grave crise ainda não terminou e poderá ir mais longe. Minha tese: quanto menor o Estado, melhor para a população. Isto deveria se aplicar ao Brasil. O Estado tem o dever com educação, saúde e educação de qualidade. As demais atividades devem ser realizadas por concessões. É possível avançar mais e reduzir mais despesas.

O que deve ser mudado?
Mudar, não! Podemos aprimorar a redução dos custos iniciada pela gestão do deputado Merisio. Isto trará benefícios para o serviço público. E vamos dar mais condições aos deputados para cumprirem a missão.

Por Moacir Pereira / Diário Catarinense 

Outras Notícias

PUBLICIDADE